quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Recordar Nuno Teotónio Pereira

Faleceu ontem o arquitecto Nuno Teotónio Pereira, uma das principais referências da arquitectura portuguesa contemporânea (ler AQUI a excelente reportagem que o jornal Público lhe dedica).

Formou-se em arquitectura na Escola Superior de Belas Artes em 1949, com uma média de 18 valores, tendo participado, um ano antes,no 1º Congresso Nacional de Arquitectura, revelando-se desde logo um dos mais promissores arquitectos portugueses.

Em 1952 fundou o Movimento Para a Renovação da Arte Religiosa e ao longo da sua longa carreira venceu vários prémios de arquitectura, com destaque para os Prémioa Valmor em 1967, 1971 e 1975, respectivamente pelos seus trabalhos mais emblemáticos, a Torre de Habitação nos Olvais Norte, o edifício da Rua Braamcampa em Lisboa, conhecido como "edifício franjinhas", pela Igreja do sagrado Coração de Jesus.

A lista completa da sua obra pode ser consultada AQUI.

Em paralelo com a sua vida profissional e como arquitecto desenvolveu uma activa vida política no combate à ditadura do Estado Novo, ligado ao chamado movimento dos "católicos progressistas", tendo participado na conhecida reunião da Capela do Rato, situação que o levou a ser preso, sendo um dos prisioneiros políticos libertados no dia 25 de Abril. Esta sua faceta está bem descrita numa entrevista que deu a Fernando Rosas à Antena 2, em 1998, e cujo conteúdo pode ser consultado AQUI.

Algumas das Obras mais emblemáticas de Teotónio Pereira:

Habitação Social em Olivais Norte (1968)

"Edifício Franjinhas" (Rua Braamcamp - Lisboa) (1970):

Igreja do Sagrado Coração de Jesus (1974):

Bairro do Restelo - Quarteirão Rosa (1987):
 

Plano estratégico de Recuperação e Revitalização do Palácio Nacional de Mafra (1994-1997):




Tem hoje início a 7ª edição da Ilustrarte - Bienal Internacional de Ilustração para a Infância

BêDêZine: Tem hoje início a 7ª edição da Ilustrarte - Bienal...: Tem hoje início mais uma edição da Bienal  Ilustrarte, dedicada à ilustração para a infância. O evento tem lugar nas instalações do Museu da Electricidade em Lisboa.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Quinta do Mocho (Loures) : A Maior Galeria de Arte Urbana na Europa

A Quinta do Mocho, em Sacavém, no concelho de Loures, tornou-se na maior galeria de arte urbana  a céu aberto da Europa.

A maior parte das fachadas dos prédios desse bairro social  exibem cerca de 50 pintura de fachada, obra de artistas nacionais e estrangeiros de renome  nesse tipo de arte e abordam vários temas, quase sempre relacionados com questões sociais.

Quem quiser pode fazer uma visita guiada por moradores do bairro e organizada pela Câmara de Loures , que têm lugar no último Sábado de cada mês.

“Trata-se de mais uma iniciativa que se insere no âmbito do projeto O Bairro i o Mundo, desenvolvido pela autarquia e pela associação de Teatro IBISCO. É gratuita e não há limite de participantes”, refere a reportagem on-line da TSF:

“Os visitantes poderão percorrer as ruas da Quinta do Mocho e apreciar dezenas de pinturas de grandes dimensões, que ocupam as fachadas dos edifícios. O objetivo desse trabalho pretendeu mudar a imagem do bairro e derrubar preconceitos. Apostou-se na qualificação artística dos edifícios, na reabilitação do espaço público e equipamentos coletivos e na mobilização dos moradores, para que nestes aumentasse o sentimento de pertença comunitário”.

“Na Quinta do Mocho, vivem mais de 3500 pessoas, na sua maioria imigrantes de origem africana e de etnia cigana”.

Em baixo podem ver alguns desse trabalhos através de fotografias colocadas pela Câmara de Loures na internet.

Podem ver mais AQUI e uma excelente reportagem do Público AQUI.






















terça-feira, 1 de dezembro de 2015

A ARTE NA CIMEIRA DO CLIMA

"Brandalism" é um projecto de vários artistas britânicos que usam os outdoors urbanos para se exprimir e que têm sido muito activos em cidades britânicas, e agora também em Paris, na denuncia da hipócrisia que está por detrás da classe política e dos grandes interesses económicos e finaceiros presentes na Cimeira do Clima que está a decorrer na capital francesa.

Aqui deixamos alguns desses trabalhos, a partir de fotografias disponíveis: