sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Donald Thompson, um fotógrafo "apanhado" pela Revolução Russa

Em Janeiro de 1917 o capitão Donald C. Thompson (1885-1947), fotógrafo do Kansas, acompanhou a repórter canadiana Florence MacLeod Harper (1886 - ? ) para fazerem a reportagem da primeira guerra, na frente oriental, para o jornal “Leslin´s Weekly”.

Acabaram por ser apanhados pela Revolução Russa de Fevereiro de 1917, em Petrogrado, acontecimento que acompanharam até Julho desse ano, já não estando presentes na então capital russa quando se deu a revolução de Outubro. Thompson tinha fugido da capital russa, então já bastante perigosa para um estrangeiro, e encontrava-se na Sibéria, a caminho do Japão, tentando salvar os valiosos negativos da sua reportagem em Petrogrado.

A sua experiência e o seu trabalho fotográfico deu origem à publicação do foto-livro “Blood Stained Russia”, publicado em Nova Iorque em 1918 ( e que pode ser consultado AQUI integralmente, digitalizado pela Livraria do Congresso).

Florence Harper, por sua vez, publicaria as suas reportagens e a descrição da sua experiência, na companhia de Thompson, num livro com o título “Runaway Russia” editado também em Nova Iorque em 1918.

As duas obras e a aventura jornalística de ambos documenta grande parte da obra “Apanhados pela Revolução – Petrogrado 1917”, de Helen Rappaport, recentemente editada em Portugal pela Temas e Debates e pelo Círculo dos Leitores, um vibrante reportagem sobre a forma como muitos estrangeiros viveram a Revolução Russa.


Aqui deixamos algumas imagens de Thompson sobre esse período vibrante pré-revolução bolchevique, algumas das quais também podem ser vistas AQUI :















segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Lu Nan, o fotógrafo da China esquecida

Lu Nan, fotógrafo chinês da Magnum (ver AQUI), pode ser descoberto agora em Lisboa.

No Museu Berardo,  em Lisboa, está patente ao publico uma exposição que revela um projecto desse fotógrafo chinês, um trabalho  de quase 20 anos, realizado entre 1989 e 2004,que nos revela uma China esquecida.

Organizado em três partes, que nos remetem metafóricamente para a Divina Comédia de Dante, a exposição pode ser visitada até 14 de Janeiro de 2018.

"Inferno", "Purgatório" e "Paraíso" são as três partes dessa exposição.

O "Inferno" , "The Forgotten People", mostra a vida em hospitais psiquiátricos fotografada entre 1989 e 1990, e é a parte mais impressionante do ponto de vista humano.







O "Purgatório", "On the Road",  revela as duras condições de vida da comunidade rural  cristã , fotografado entre 1992 e 1996.








Por último, o "Paraíso", "Four Seasons", mostra-nos uma população marginalizada mas orgulhosa da sua cultura, os tibetanos, fotografados entre 1996 e 2004.







O registo humano e realista de Lu Nan, mesmo retratando aqui uma China em vias de extinção, merece a nossa atenção e uma visita.

Aos Sábados as vistas são grátis.